• Sertãozinho: 16 3942 7113 / Ribeirão Preto: 16 3963 6500
  • Seg - Sex.: 07h às 19h
25/11/2020
Imagem: DragonImages, de envatoelements Imagem: DragonImages, de envatoelements

Entre os vários motivos que levam uma adolescente ao consultório do ginecologista a grande maioria está relacionada com o desenvolvimento puberal e a sexualidade.

As dúvidas quanto a capacidade reprodutiva somam-se aos medos, às angustias e às inseguranças geradas pelas transformaçoes que ocorrem na puberdade.

Os problemas ginecológicos sao relativamente comuns na adolescência, contudo patologias graves sao raras. Na Tabela 1 encontramos as principais patologias.

Uma particularidade no atendimento das adolescentes é a necessidade de avaliar seu status sexual (seu grau de relacionamento com o parceiro). É freqüente a negaçao da atividade sexual, justificada pelo medo da repressao, do julgamento ou da delaçao aos seus familiares. Essa avaliaçao influenciará diretamente na investigaçao diagnóstica e na conduta, devendo, portanto, ser realizada na ausência dos familiares e com total garantia de sigilo médico.

As principais queixas ginecológicas sao referentes a irregularidades menstruais, corrimento vaginal, cólica menstrual e alteraçoes mamárias.

Muitas adolescentes vêm à consulta em busca de orientaçao sexual e contraceptiva, mas têm dificuldade em verbalizar sua necessidade por medo, vergonha ou timidez. Com freqüência ocultam o real motivo com outras queixas como cólicas, sangramentos, mastalgias, corrimento, etc.

CORRIMENTO VAGINAL
O corrimento vaginal na adolescência pode ser fisiológico. Na puberdade, a açao estrogênica estimula a atividade secretora das glândulas endocervicais, a transudaçao dos capilares da parede vaginal e a descamaçao do epitélio, aumentando dessa forma o conteúdo vagínico, o qual se exterioriza na forma de secreçao mucóide branca leitosa ou transparente, que se torna amarelada após ressecamento na roupa, surgindo de seis meses a um ano antes da menarca. As adolescentes relatam ter o corrimento há muito tempo (meses, anos), de cor amarelada ou marrom pardo, com cheiro ruim. Negam dor, prurido e ardência. O diagnóstico é clínico e a conduta será a explicaçao da origem do corrimento e a orientaçao quanto a higiene e vestuário (evitar roupas sintéticas e muito justas). Nos casos em que as adolescentes e os familiares estiverem muito angustiados, e apenas a orientaçao nao for suficiente para tranqüilizá-los, realizamos a citologia vaginal para comprovaçao da normalidade. Os corrimentos patológicos estao relacionados com as vulvovaginites específicas e inespecíficas, sendo que na adolescência as específicas sao as mais comuns, principalmente nas pacientes com atividade sexual. As vulvovaginites mais comuns na adolescência sao: candidíase,vaginose bacteriana, gonorréia e infecçao por clamidia.

O início cada vez mais precoce da atividade sexual aumenta a probabilidade de maior exposiçao às doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) e ao vírus da imunodeficiência humana (HIV).

A sintomatologia das DSTs no sexo feminino nao é característica, mas variável. O corrimento vaginal é um dos sintomas mais freqüentes, portanto toda paciente com atividade sexual que apresentar secreçao vaginal com características patológicas, acompanhada ou nao de outra sintomatologia, deve ser investigada para DST e orientada em relaçao à prevençao.

ALTERAÇOES MAMARIAS
O desenvolvimento mamário na adolescência, principalmente nos dias atuais, em que a sociedade hipervaloriza o aspecto sexual, é um grande gerador de ansiedade: sua forma, seu tamanho, seu aspecto, etc. A mastalgia é sintomatologia comum, geralmente ocasionada pelo próprio desenvolvimento mamário e por alteraçoes hormonais do ciclo menstrual. Cíclica, ocorre no período pré-menstrual, de forma bilateral, com predomínio nos quadrantes superiores externos, e, à palpaçao, podemos encontrar nodulaçoes dolorosas transitórias. O aspecto mais importante no tratamento é a orientaçao quanto aos motivos da dor e a explicaçao que nao se trata de câncer. Com isso conseguimos resolver cerca de 80% dos casos.

As dores inespecíficas podem ter causas extramamárias, como musculares, neuralgias, coluna vertebral, ou podem estar escondendo motivos reais como assimetrias, hipertrofias, hipotrofias ou simplesmente insatisfaçao com mamas consideradas feias. As mamas sao assimétricas, pois têm origem embrionária diferente, com número de receptores hormonais variados. Na puberdade pode haver um desequilíbrio, com uma mama predominando sobre a outra, o que pode acarretar distúrbios emocionais, comportamentais e psicológicos. A conduta deve ser expectante, aguardando o final do desenvolvimento. Se a diferença persistir, devese indicar cirurgia. Nos casos de hipertrofia e hipotrofia, a conduta é semelhante. Muitas pacientes necessitarao de suporte psicológico e assistência durante esse período para prevenir comportamentos patológicos, erros posturais ou depressao.

Os tumores na adolescência sao raros e geralmente benignos. O fibroadenoma é o mais comum e apresenta-se ao exame como um nódulo de consistência firme, elástico, móvel, com limites precisos. A conduta é a retirada cirúrgica.

IRREGULARIDADE MENSTRUAL
A menstruaçao, por ser fenômeno ligado à saúde reprodutiva da mulher, tem grande importância em sua vida. A menarca representa o início da capacidade reprodutiva feminina. Apesar de nao existir completo amadurecimento físico, psíquico e emocional, fisiologicamente falando já se pode ser mae. O ciclo menstrual é resultado da interaçao dinâmica do eixo hipotálamo-hipófise-ovariano e do trato genital. Sua regularidade e o fluxo normal indicam boa funçao.

O ciclo menstrual pode ser dividido em três fases: folicular, ovulatória e lútea, e inclui o período entre o primeiro dia de sangramento e o primeiro dia do próximo sangramento. O sangramento pode durar até dez dias, e os intervalos variam de 21 a 40 dias. Na adolescência os ciclos pós-menarca, pela imaturidade do eixo hipotálamo-hipófise-ovariano, podem ser irregulares nos primeiros anos.

As irregularidades menstruais podem ser classificadas quanto à periodicidade e ao fluxo menstrual. A menstruaçao é vista popularmente como uma coisa ruim, dolorosa, suja e incapacitante. Esse conceito deve ser modificado, associando-a à saúde e explicando de forma simples o seu significado. No atraso menstrual, mesmo em pacientes irregulares, deve-se descartar a possibilidade de gravidez. A incidência de gestaçao nao-planejada nessa faixa etária é alta e independente do nível sociocultural. As irregularidades menstruais, principalmente associadas a sinais de hiperandrogenismo, podem ser manifestaçoes precoces da síndrome dos ovários policísticos (SOP).

SINDROME DOS OVARIOS POLICISTICOS
A SOP é uma das endocrinopatias mais comuns em mulheres em idade reprodutiva, com prevalência variável entre 5% e 10%, dependendo da etnia, do tipo da populaçao e da faixa etária. De fisiopatologia multifatorial e poligênica, as manifestaçoes clínicas se iniciam na adolescência, no período pré-menarca.

Sua definiçao tem sido amplamente discutida, sendo que em 2003 o consenso de Rotterdam propôs que para o diagnóstico de SOP, uma síndrome de disfunçao ovariana, é necessária primeiramente a exclusao de outras causas de hiperandrogenismo e irregularidades menstruais como síndrome de Cushing, neoplasias secretoras de andrógenos, hipotireoidismo, hiperprolactinemia e formas naoclássicas das hiperplasias adrenais congênitas, requerendo ainda a existência de pelo menos dois entre os seguintes critérios: a) oligo ou anovulaçao (cujas manifestaçoes clínicas sao oligo ou amenorréia, sangramento vaginal disfuncional e infertilidade); b) níveis elevados de androgênios circulantes (hiperandrogenemia) e/ou manifestaçoes clínicas do excesso androgênico (hiperandrogenismo caracterizado por hirsutismo, acne e alopecia); c) ovários com morfologia policística (presença de 12 ou mais folículos medindo entre 2 e 9mm de diâmetro e/ou volume ovariano acima de 10cm3) à ultra-sonografia.

A fisiopatologia da SOP continua sendo estudada, e as atençoes estao voltadas para defeitos primários do eixo hipotálamo-hipófise-ovariano, para a funçao ovariana e para a secreçao e a açao da insulina. A resistência insulínica (RI) associada a hiperinsulinemia compensatória pode ser a chave da fisiopatologia da SOP. Vários estudos utilizando clamps euglicêmicos, teste oral de tolerância à glicose (TOTG) ou teste intravenoso de tolerância à glicose modificado demonstraram a presença de RI e hiperinsulinemia nas pacientes com SOP magras e obesas, sendo que essas últimas apresentam maior RI quando comparadas com as magras.

Em nível central, a insulina parece estar envolvida na secreçao anormal de hormônio luteinizante (LH), e em nível periférico promove aumento da secreçao ovariana de androgênios através da elevaçao da expressao do gene CYP17 e da atividade do citocromo P450c17, tendo açao sinérgica com o LH, tanto diretamente como através do estímulo da secreçao do fator de crescimento semelhante à insulina 1 (IGF-1). A insulina diminui a síntese hepática de proteína ligadora do fator insulina-símile (IGFBP-1) e da globulina ligadora dos hormônios sexuais (SHBG), aumentando os níveis de androgênios livres.

Recentemente foi proposta a existência de uma hipersensibilidade das células da teca ovariana à açao da insulina, defeito esse intrínseco e nao-secundário ao estímulo crônico pelo LH, e que pode ocorrer na ausência de RI global ou de hiperinsulinemia.

A presença de obesidade em cerca de 50% ou mais das pacientes com SOP é outro achado que reforça a associaçao entre RI e hiperandrogenismo, embora a RI na SOP seja fator independente da obesidade, essa, sim, certamente um fator agravante. A obesidade andróide, causada pelo acúmulo de gordura abdominal visceral e subcutânea, é o padrao mais freqüente nessas pacientes e o que mais se correlaciona com RI.

As manifestaçoes clínicas da SOP sao variáveis, refletindo os níveis de disfunçao metabólica. Na adolescência a SOP apresenta sintomas como irregularidade menstrual, acne e hirsutismo, isolados ou em associaçao. Os sinais precoces podem ser confundidos com as alteraçoes normais do desenvolvimento puberal, perdendo-se a oportunidade de diagnóstico. A irregularidade menstrual na adolescência é considerada uma alteraçao fisiológica decorrente da imaturidade do eixo hipotálamo-hipófise-ovariano, sendo explicada pela ausência do feedback positivo do estradiol sobre a secreçao do LH e resultando em ciclos anovulatórios, sendo que esse feedback só se desenvolverá anos após a menarca.

Estudos realizados por Van Hoff et al. demonstraram que a presença de oligomenorréia nos primeiros anos pós-menarca se correlaciona com a permanência da irregularidade, e que os ciclos regulares também nao se modificaram com a idade ginecológica, ou seja, aquelas com ciclos regulares ao final da adolescência tinham esse mesmo padrao desde a menarca. Alguns autores consideram que a irregularidade menstrual pode representar um sinal precoce ou preditivo da SOP. Nao existem ainda critérios bem estabelecidos para o diagnóstico precoce, mas sua importância se justifica pelos seguintes fatos: a RI e a hiperinsulinemia sao fatores importantes na patogenia da SOP e da síndrome metabólica (SM). A SM ocorre em 43% das pacientes com SOP e a sua presença em adolescentes com SOP faz com que elas apresentem risco sete vezes maior de desenvolver doenças cardiovasculares. As pacientes com SOP têm cinco a dez vezes mais probabilidade de desenvolver diabetes mellitus tipo 2 (DM2) do que aquelas sem SOP. As alteraçoes dermatológicas da SOP, como acne, hirsutismo, acantose nigricans e alopecia, bem como o ganho ponderal, têm efeito deletério na auto-imagem e na auto-estima das adolescentes, podendo gerar comportamentos patológicos perpetuáveis na vida adulta. Enfim, a SOP está associada a sérios problemas de saúde como DM2, cardiopatias, hipertensao, câncer endometrial, neoplasias ovarianas, subfertilidade e infertilidade. Seu diagnóstico precoce pode prevenir ou pelo menos minimizar os efeitos deletérios, através de tratamento e orientaçao quanto a hábitos de vida como prática de exercícios físicos regulares e dieta saudável. Na adolescência o indivíduo está buscando a sua identidade física, emocional, psicológica e social, o que torna essa faixa etária ideal para implementarmos açoes preventivas que se refletirao na vida adulta.

COLICA MENSTRUAL
A cólica menstrual pode causar dor, geralmente no abdome inferior, relacionada com o fluxo menstrual, irradiando-se para regiao lombar e coxa. Pode variar de leve a intensa e é o principal sintoma da dismenorréia (em grego, menstruaçao dolorosa), síndrome que pode vir acompanhada de náuseas, vômitos, diarréia e cefaléia. A dismenorréia pode ser primária (nao-associada a outras patologias) ou secundária (associada a outras patologias). A primária é muito comum, sendo umas das principais causas de falta escolar. Inicia-se seis a 12 meses após a menarca, coincidindo com os ciclos ovulatórios. A sua fisiopatologia nao é totalmente entendida, existindo várias teorias. O fator mais importante parece ser o nível aumentado de prostaglandinas liberadas em resposta à atividade ovariana, o que exacerba as contraçoes uterinas causando hipóxia, isquemia e aumentando o quadro de dor. O tratamento inicia-se pela explicaçao da causa da dismenorréia e pela tranqüilizaçao em relaçao à saúde reprodutiva e à intensidade da dor. O componente psicológico pode aumentar a sintomatologia, portanto o seu suporte é fundamental.

Em relaçao à terapêutica, iniciamos com analgésicos (geralmente as pacientes já os usam, o que nos serve como dado para avaliarmos a intensidade da dor), antiinflamatórios nao-esteroidais (AINEs)(devem ser iniciados um dia antes do início do fluxo menstrual, ou no primeiro sinal de dor, e mantidos por um a três dias) e contraceptivos. Para as pacientes com atividade sexual ou aquelas que estejam em vias de iniciá-la, a contracepçao pode ser o tratamento de escolha pela dupla açao.

A dismenorréia secundária é mais rara, principalmente na primeira fase da adolescência (Tabela 2). A dor pode se iniciar com a menarca ou muitos anos após, ter início súbito e estar acompanhada de outros sintomas como febre, corrimento, dispareunia, aumento ou irregularidade do fluxo menstrual. Seu tratamento está relacionado com a causa básica.

ORIENTAÇAO SEXUAL E CONTRACEPÇAO
A sexualidade é um processo evolutivo que se inicia no nascimento, mas é na adolescência que o indivíduo passa a ter consciência dela e a percebê-la. Devemos lembrar que seu conceito é muito amplo, nao se restringindo apenas ao ato sexual ou à saúde reprodutiva, mas considerando todos os fatores do relacionamento humano, a idéia que o indivíduo tem de si e do meio que vive, exercendo papel fundamental em todas a etapas da vida.

Sendo a sexualidade, com suas características polêmicas, de fundamental importância para o desenvolvimento da maturaçao física, social e psicológica, torna-se um dos principais fatores na criaçao de situaçoes de risco para os adolescentes, como gestaçao nao-planejada, DSTs, síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS), comportamentos sexuais patológicos, problemas relacionados com a imagem corporal e abuso sexual. Os profissionais da área de saúde ligados aos adolescentes devem estar capacitados para orientá-los sobre temas relacionados com sexualidade, ato sexual, desejo, prazer, saúde reprodutiva, entre outros. Nas consultas, deve-se abrir um canal para que o adolescente se sinta seguro e estimulado a expor dúvidas, questionamentos e opçoes. A postura do profissional nao pode ser preconceituosa e/ou julgadora. Sua funçao é passar informaçoes que possam ser utilizadas quando forem necessárias e fazer o diagnóstico das situaçoes de risco.

Nesse contexto, a anticoncepçao na adolescência difere de planejamento familiar, pois representa a prevençao da gravidez nao-planejada e dos riscos relacionados com a sexualidade; trata-se de um trabalho complexo que exige a associaçao entre orientaçao e assistência dos setores da sociedade (família, escola, saúde e governo). A incidência de gestaçao nessa faixa etária continua aumentando, principalmente abaixo dos 15 anos, apesar da difusao do conhecimento teórico. As estatísticas demonstram a nao-utilizaçao ou o uso incorreto de algum método, principalmente nas primeiras relaçoes sexuais. Fatores intrínsecos característicos dessa faixa etária explicam tal comportamento (como o sentimento mágico de que isso nao vai acontecer comigo ou a necessidade inconsciente de testar, saber que pode ser mae) e dificultam o trabalho preventivo, sendo necessária a atuaçao visando à mudança de comportamento.

Encontramos familiares e profissionais das áreas de saúde e educaçao com conceitos errados de que a orientaçao sexual ou a prescriçao de um método contraceptivo pode servir de incentivo ou passaporte para os adolescentes iniciarem a atividade sexual. A assistência à saúde reprodutiva e a orientaçao sexual têm sido motivo de vários questionamentos, principalmente em relaçao aos aspectos éticos e legais, podendo levar a inseguranças e dificuldades por parte de alguns profissionais. A Constituiçao Federal (CF) e o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) garantem o planejamento familiar a todo cidadao, visando a uma paternidade responsável. É dever da família e do Estado assegurar à criança e aos adolescentes o direito à vida e à saúde, e o sigilo médico está garantido aos adolescentes.

Atualmente, na orientaçao contraceptiva, devemos passar o conceito da dupla proteçao. A prescriçao do condom é obrigatória em qualquer associaçao. Na decisao do método contraceptivo a ser utilizado devem ser levadas em consideraçao as características específicas da adolescência e dos contextos social e familiar. A aceitaçao do método é fundamental para o sucesso da contracepçao e está diretamente relacionada com orientaçao correta, grau de confiabilidade, motivaçao para o uso e adaptaçao emocional e psicológica da paciente.

Por vezes um excelente método que nao foi escolhido e orientado corretamente pode ser queimado e prejudicar todo o trabalho contraceptivo. Devemos sempre lembrar que é na adolescência que o ser humano está formando sua personalidade, fazendo suas escolhas, e uma experiência negativa pode influenciar seu comportamento em relaçao à saúde no futuro.

Os métodos comportamentais como o coito interrompido e a tabela, que sao muito utilizados entre os adolescentes de forma incorreta, nao estao indicados para essa faixa etária pelo alto índice de falha e pela necessidade de autocontrole e de conhecimento do corpo. Esses métodos devem ser desestimulados, mas, ainda assim, é essencial que seja ensinada a forma correta de utilizá-los.

Os métodos hormonais estao disponíveis sob diversas formas de apresentaçao, combinaçoes e esquemas terapêuticos.

O anticoncepcional hormonal oral (ACHO), a pílula, é um dos medicamentos mais estudados na terapêutica médica e, quando corretamente utilizado, é um método reversível, eficaz e seguro. Conceitos populares como “pílula dá câncer, engorda, causa infertilidade”, etc. trazidos pelas adolescentes sao fatores importantes para o uso e a sua interrupçao nessa faixa etária. A explicaçao sobre o histórico dos ACHO, sua formulaçao, as dosagens atuais (microdosagens), seu modo de açao e suas vantagens sao decisivos para conseguir a adesao da adolescente ao uso continuado do método.

Devemos dar preferência aos ACHOs de menor dosagem hormonal, que acarretam menos efeitos colaterais, e prevenir as adolescentes de que nos primeiros meses de uso podem ocorrer escapes sangüíneos, os quais nao estao relacionados com a eficácia do método.

Existem diversas situaçoes clínicas que contraindicam o uso dos ACHOs e que devem ser consideradas. Mas devemos sempre lembrar que as adolescentes nao se encontram na faixa etária de risco da grande maioria dessas situaçoes clinicas, e que a morbidade da gestaçao é maior que a do uso dos ACHOs.

A açao dos ACHOs nao interfere no amadurecimento do eixo hipófise-ovariano nem acelera as soldaduras das epífises ósseas.

Nos últimos anos a anticoncepçao de emergência, ou pílula do dia seguinte, tornou-se popular, sendo um método hormonal usado após relaçao sexual sem proteçao. Seu mecanismo de açao interfere em uma ou mais fases do processo reprodutivo, dependendo da fase do ciclo em que é utilizado, nao surtindo efeito quando o ovo já sofreu nidaçao.

Os métodos mais usados sao: Yuzpe (usado desde 1970): consiste no uso de duas doses de 100µg de etinillestradiol + 0,5mg de levonorgestrel com intervalos de 12h até 72h pós relaçao. Progestagenos: consiste no uso de duas doses de 0,75mg de levonorgestrel em intervalos de 12h ou 1 dose de 1,5mg de levonorgestrel até 72h pós-relaçao.

A contracepçao de emergência associada aos métodos usados seria, teoricamente, de excelente ajuda, mas temos que nos questionar se a sua divulgaçao nao acarretará o aumento do descaso no uso de outros métodos. Ela deve ser orientada, facilitada e divulgada entre os adolescentes, mas sempre enfatizando o caráter de urgência, uma vez que nao tem a mesma eficácia nem os mesmos riscos dos métodos utilizados de forma rotineira.

CONCLUSAO
As alteraçoes hormonais que ocorrem na puberdade sao responsáveis pelas transformaçoes físicas da adolescência, causando sinais e sintomas fisiológicos que, se nao forem acompanhados e explicados, podem gerar comportamentos ou alteraçoes emocionais que possivelmente influenciarao a vida adulta.

A maturaçao sexual, junto com a conscientizaçao da sexualidade, que ocorre nessa fase, é um dos principais fatores que podem colocar adolescentes em situaçoes de risco físico ou emocional. As questoes relacionadas com a saúde reprodutiva ocupam lugar importante na vida das mulheres, gerando preocupaçoes e ansiedades que já podem ser detectadas na adolescência e estao entre o principais motivos que levam uma adolescente à consulta médica. Os profissionais devem ter consciência da importância de lidar com essas questoes de uma forma integrada e preventiva.

fonte: Panorama Farmacêutico, com informações do Adolescência e Saúde