• Sertãozinho: 16 3942 7113 / Ribeirão Preto: 16 3963 6500
  • Seg - Sex.: 07h às 19h
13/01/2021
Imagem: twenty20photos, de envatoelements Imagem: twenty20photos, de envatoelements

A obesidade é uma doença crônica, multifatorial - tem mais de uma causa - caracterizada pelo excesso de peso, que é medido pelo Índice de Massa Corporal (IMC). Esse parâmetro utilizado pelos médicos, além de classificar o peso, também serve de alerta para possíveis riscos associados ao sobrepeso1.

E apesar de ser uma condição muito prevalente na população, uma vez que dados do Ministério da Saúde mostram que mais da metade da população (55,7%) tem excesso de peso2, a busca por tratamento médico ainda não é efetiva, principalmente no caso dos homens3.

O problema, porém, está justamente neste ponto, já que voltar a atenção para a obesidade é uma questão de saúde, pois a doença colabora para o aparecimento de outras comorbidades1. Além disso, ela pode ter diferentes consequências em homens e mulheres, o que reforça a necessidade de auxílio médico independentemente do sexo.

A obesidade em homens
Ainda de acordo com o Ministério da Saúde, a obesidade é uma crescente entre os homens adultos2. E o endocrinologista Alexandre Hohl, em entrevista ao podcast Obesidade Sem Segredos, ressalta que, para eles, as consequências incluem desde as comorbidades já conhecidas, como dislipidemia, hipertensão, câncer, apneia do sono, eventos tromboembólicos, diabetes, síndrome metabólica, doença cardiovascular até mesmo a disfunção erétil1,3.

"A obesidade está intimamente ligada à condição chamada hipogonadismo masculino, que se caracteriza pela queda do nível de testosterona no homem. Então quanto maior for o nível dessa obesidade, maiores as chances desse homem, independente da idade, estar com testosterona baixa e ter sintomas como diminuição do desejo sexual (queda de libido) e queda da qualidade da ereção (disfunção erétil). Isso tudo vai virando uma bola de neve e, da mesma maneira, compromete qualidade de vida"3.

Mas, as consequências para a saúde masculina não estão relacionadas apenas à testosterona. Existem outros hormônios que estão relacionados à obesidade, bem como os quadros subjacentes graves mencionados acima, que podem acometer o público masculino, causando sinais como: cansaço, desânimo, sonolência, lentificação de pensamento, entre outros3.

O endocrinologista alerta, porém, que muitos homens não percebem a chegada dos sintomas e das consequências devido a uma postura cultural de cuidados com a saúde, em outras palavras: os homens não têm o hábito de procurar auxílio médico, o que compromete um diagnóstico precoce e também o tratamento adequado3.

Tratamento para obesidade em homens
Por ser uma doença que pode comprometer diferentes aspectos da saúde do paciente, o tratamento que visa a perda de peso e melhora da qualidade de vida deve ser individualizado e multidisciplinar.

Muitas vezes, o tratamento conta com a participação de profissionais como: nutricionista, endocrinologista, psicólogo, educador físico e outros3. Além disso, é importante adotar hábitos saudáveis, como a prática de exercícios físicos e manter uma alimentação balanceada1,2.

Se você quer saber mais sobre os tipos de tratamentos disponíveis, além de outras informações confiáveis sobre obesidade e temas relacionados à doença, não deixe de acessar o site Saúde Não Se Pesa.

O canal é uma iniciativa que traz informações valiosas e confiáveis sobre o assunto. Clique aqui acesse agora mesmo e lembre-se de conversar com seu médico, pois tratar a obesidade é uma questão de saúde1.

fonte: Minha Vida